Diakonia é Serviço

Diakonia é Serviço
"Mas Jesus, chamando-os a si, disse-lhes: Sabeis que os que julgam ser príncipes dos gentios, deles se assenhoreiam, e os seus grandes usam de autoridade sobre eles; Mas entre vós não será assim; antes, qualquer que entre vós quiser ser grande, será vosso serviçal; E qualquer que dentre vós quiser ser o primeiro, será servo de todos. Porque o Filho do homem também não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos." Evangelho de São Marcos 10:42,45

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Estupro, Aborto, e a busca por fazer a vontade de Deus.



Irmãos,

um buscador de Deus traz uma questão muito difícil, para ser respondida de acordo com a nossa luminosa fé.

Segue a questão desenvolvida pelo buscador, e a nossa resposta.


=============================================

Padre, acompanho o seu apostolado e gosto do seu modo de responder as questões.

 Ainda que sejam sempre  respostas que não fujam muito do que se imagina vindo da Igreja, o senhor se esforça em dar uma abordagem humana e caridosa, o que é muito confortador.

Observando isso, trago uma questão muito dificil para se obter uma resposta confortadora, mas talvez o senhor possa ja ter tratado deste tema, e isso o ajude.

Vamos pensar Padre, na posição de uma mulher, que sendo cristã, é vitima de um estupro, e desta violencia é gerada uma gravides.

Sabe-se que a Igreja considera o aborto como uma desobediencia ao quinto mandamento , o que diz que não devemos matar, nem mesmo causar ferimento a uma outra pessoa.

Mas como conceber que uma mulher que foi vitima de uma tamanha violencia, seja obrigada a carregar no ventre o fruto desta violencia por nove meses, e depois ainda ter que conviver com a criança que sempre a lembrará do estupro sofrido, ou ainda se for o caso de dar a criança para a adoção, ter passado por toda a gestação ja causará um impacto em toda a sua vida.

A mulher que diante de tal drama pessoal, opte pelo aborto, pode mesmo ser considerada uma assassina do proprio filho? 

Ou aqui temos o caso de um mal menor , ja que o estrago do estupro não pode ser feito desaparecer?

Não estamos falando da mulher que nao se sente preparada para ser mãe e decide dar fim a uma gestação. Ou uma outra que acha que a vinda de um filho agora vai atrapalhar sua carreira ou estudos e ai recorre ao aborto como se fosse realizar uma depilação.

O caso aqui é de uma mulher que foi brutalizada, e nisso se fez nela uma gravides, que obviamente ela (nem nenhum pessoa normal) desejou, desta forma.

Mas muitos cristãos encaram esta questão de modo fundamentalista, considerando que não há qualquer atenuante para o aborto, nem mesmo neste caso de uma vitima de estupro (imagine, uma mulher violentada pelo pai...).

Não seria esta posição um mero moralismo, calcado no estabelecimento de um padrão comportamental irreal, por desconsiderar a realidade de cada individuo?

Por fim : Deus perdoará esta mulher?

Agradeço pela atenção!


============================================

Querido Irmão,

fico feliz que apostolado traga conforto a você.

Mas veja bem : Espero mesmo , que minhas postagens nunca fujam do que  se espera vir , como uma resposta da Igreja.

Só assim de fato, poderá haver uma verdadeira oferta de ajuda por parte deste nosso esforço.

A sua questão é de fato muito complexa. Temos muitas coisas para considerar. Vou tentar fazer isso de um modo simples.

O primeiro aspecto a tratar, é que a Igreja considera o estupro um pecado muito grave.

É preciso desumanizar a outra pessoa para a submeter a uma violência como o estupro. É necessário se dar uma total falta de empatia, total falta de respeito por este outro.

E nada justifica o estupro. Nada.

Então a mulher que sofre tal violência precisa de toda a ajuda. E a primeira ajuda que a Igreja deve ofertar, é fazer esta mulher entender que ela é uma vitima. E como tal nao pode se culpar.

Mas ocorre que desta violência terrível adveio uma criança, um outro ser humano.

Um ser humano que é fruto de uma violência atroz. E nisso também já é uma vitima, ja tem sobre si, mesmo no ventre de sua mae, que carregar um estigma.

A Igreja precisa defender esta vida. A Igreja precisa defender este ser humano.

Mas a Igreja deve buscar fazer a mãe desta criança, entender tudo o que esta em jogo.

Com toda a certeza, o estupro não aconteceu em razão da vontade de Deus. Não.

A maldade, o pecado, toda a dor, existem no mundo em razão do homem ter se afastado de Deus.

Mas Deus, em Sua bondade e misericórdia, permite que mesmo de nossos atos terríveis, possa surgir meios de cura.

Nisso podemos dizer que a vida de uma criança, esta sim, é de acordo com a vontade de Deus.

Deus permitiu nascer desta maldade um bem. Uma criança inocente.

Nada poderá fazer desaparecer a marca da violencia do estupro.

Mas pela misericordia de Deus, no meio de uma grande tristeza, pode surgir uma alegria, uma felicidade, mesmo um milagre. Se estamos abertos a perceber estas coisas.

Aquela criança, pode ser um chamado para o amor daquela mulher.

Sim, talvez seja dificil imaginar isso em um primeiro momento. Mas o tempo estabelece um processo curativo. Ou ao menos pode estabelecer.

O papel da Igreja, dos cristãos em volta desta mãe, é tentar fazer crescer esta empatia, entre mãe e filho.

Pois o amor que uma mãe sente por um filho, pode superar as maiores barreiras.

É mesmo uma coisa sagrada, mistica.

Como um pai posso dizer : Não existe como explicar o amor que sentimos por nossos filhos, por "nossas crias".
Um dom de Deus para santificar a vida dos homens.

No momento em que aquele bebe deixa de ser "o fruto do estupro", e passa a ser o "filho", uma transformação na mente e no coração daquela mulher começa a ser estabelecida.

E se isso acontece, vemos mesmo um milagre, proprio da sinergia entre a vontade do homem e a graça de Deus.

Mas talvez seja muito dificil.

Ok, certamente será muito dificil.

Mas disso nosso Senhor avisa : Aquele que desejar ser meu discipulo, deve tomar a sua cruz e então depois me seguir.

O que vem a ser tomar a cruz, amados irmãos ?

É lidar com as dificuldades da vida sem abandonar os mandamentos.

É isso. E é carregar uma cruz. Não é coisa facil não.

Mas é condição para ser discipulo do Senhor.

É condição para ser cristão.

Aquela que é o nosso modelo de comportamento , a Santissima Mãe de Deus e sempre Virgem Maria respondeu  a noticia do Arcanjo assim :

Eis a serva do Senhor. Faça-se em mim, segundo a tua palavra.

Desejar servir a Deus, é desejar realizar aquilo que Deus quer de nós.

E para esta mulher, vitima de um ato terrivel, Deus esta pedindo : Acolhe esta criança. Não deixa ela morrer.

A mulher pode responder como a Santissima Virgem, ou não.

A escolha da mulher pela resposta de Maria, não deve se dar para atender a pressão social, para atender a qualquer tipo de moralismo.

Não.

Esta resposta será dada por alguem que deseja agradar a Deus. Fazer a Sua vontade. Mesmo que isso exija um grande  sacrificio.

Podemos, por realizar a vontade de Deus, desagradar a sociedade, nossa familia, amigos. Perder todo o apoio.

Mas sabendo que se é o plano de Deus, grande bençãos virão. 

Bençãos desconhecidas. Pois o mundo é mau, mas Deus é Bom.

A nossa fé nos chama a realizar o mais dificil, e mesmo tido como impossivel : Ama o teu inimigo. Da a outra face. Ore por aqueles que te odeiam e desprezam.

Tudo isso Jesus Cristo nos ofertou com Seu exemplo.
Na Cruz, rogava ao Pai em favor dos que o ridicularizavam.

E o Senhor nos diz que tudo isso tambem podemos fazer, com a Sua ajuda. Se somos Seus discipulos.

Ok. Mas vai então ocorrer da mulher que não deseja dar a resposta de Maria. E que acha que esta Cruz não pode carregar.

O que devemos dizer sobre ela ?

Não devemos julgar ninguem. É Deus que julga. Mas devemos saber que é um passo na distancia de Deus.

A sua pergunta final, se Deus perdoará a mulher que abortou o filho deve ser respondida com um sim.

Sim, desde que ela um dia se arrependa de ter feito isso.

E isso significa dizer : Que um dia ela deseje, do fundo de sua alma, que  fosse possível voltar no tempo, e não ter realizado o aborto. Ter deixado vir a criança. Ter dado uma chance de ver o amor de Deus salvar todas as coisas.

Deus perdoa todos os arrependidos. E que todos nós possamos encontrar em nossa vida o caminho do arrependimento.

Não sei se estas minhas respostas foram para você consoladoras. Deus permita que sejam uteis !

No amor de Cristo,

Diácono Marcelo.

Nesta Única vida que temos, recebemos de Deus toda justiça



Irmãos,

já faz muito tempo, mais de 25 anos certamente.

Caminhava pelo centro da cidade, cheio de insatisfações na minha mente e no meu coração, certamente por coisas que não eram importantes, que não diziam respeito as minhas responsabilidades ou mesmo a minha vida de fato.

Com saúde, teto, roupa, emprego, família, apoio de todos os lados, ainda assim era possível estar chateado.

Então do outro lado da rua eu vi um rapaz, talvez tivesse a minha idade, talvez um pouco mais novo, não sei.

Era um morador de rua, dotado de muitas deficiências (um braço e uma perna muito pequenos).

Ele estava sentado em um caixote vendendo balas e coisas do tipo, em dia de calor terrível com faz durante a maior parte do ano no Rio.

E eu vi que ele estava gargalhando, brincando com pessoas que estavam próximas, em uma banca de jornal.

Eu fui atravessar a rua para ver.

Eles conversavam sobre futebol, e brincavam um com outro, as bobagens comuns de conversas sobre futebol, em que tudo vale para brincar com o time do outro.

Aquela experiência de ver aquele rapaz, com tantos problemas, ainda ser capaz de brincar, de rir, de se divertir com as coisas inocentes da vida foi uma grande lição para mim, sobre a misericórdia de Deus.

O que teria sido de mim, fraco e tão incapaz de ser grato a Deus tendo tudo, se eu tivesse eu nascido para carregar a cruz daquele rapaz? 

Para aquele espirito mais forte e nobre, deu provas proporcionais a sua altura.

E tal pensamento me fez ter vergonha das minhas insatisfações, as vendo como o que elas eram de fato : ingratidão a Deus.

Eu sei, evidentemente, que aquele rapaz tem os seus dias de tristeza e que as dificuldades da vida vão pesar sobre os seus ombros.

Mas o fato é que aquela sua condição física não o impediu de ver razões para ser grato, para ser feliz nesta vida.

Ontem, um adepto da Doutrina Espírita me perguntava sobre como crer na justiça de Deus, e ver as pessoas nascerem, para uma única vida, em condições tão dispares.

É a nossa cegueira que não consegue ver a liberdade do espírito.

Nosso Senhor nos conta a Parabola de Lazaro e do homem rico, e nos ensina, que aquele Lazaro, que vivia no mundo como um destituído de tudo, era muito próximo de Deus. E que aquele homem rico, que do mundo não sofria qualquer revés, era muito distante de Deus.

E ocorreu que ambos caminharam, na proximidade e na distancia de Deus por suas proprias escolhas.

E eis quando a vida neste mundo acabou, a condição essencial de suas existencias permaneceu a mesma : Lazaro foi para a proximidade de Deus, viver na gloria dos justos. E o homem rico em um lugar de muita aridez, pois na realidade em que só ha Deus, o distante de Deus é muito pobre.

A justiça de Deus está em ofertar o mesmo dom da vida a cada pessoa. 
Esta em deixar que com a vida que cada um tenha, se estabeleça proximidade e distancia. E tudo começa antes de tudo na nossa mente, no nosso coração.

Pobre, rico, doente, saudável, bonito ou feio. Nada disso determina o lugar de Deus em nossa mente e no nosso coração.

Aos olhos de Deus, amados irmãos, somos todos velas.
Resta saber se estamos queimando, luminosas ou frias,  apagadas.



Se os reencarnacionistas olham então um deficiente físico e dizem que ele esta "pagando pelo mal que fez em outra vida", é preciso dizer que tal ensinamento em nada faz com que cresça o amor entre as pessoas, mas ao contrario, faz do saudável um juiz orgulhoso do deficiente, o que é em si, uma demonstração da distancia desta doutrina do espírito do Evangelho.

Quando os discípulos perguntaram ao Senhor se a doença de nascença de um rapaz era por culpa dele (outra vida?), ou por culpa do pecado dos seus pais, o Senhor respondeu muito claramente : Nem um nem outro. É para que a gloria de Deus se manifeste nele.

E as pessoas, que nascendo com limitações físicas, econômicas e de outras formas, superam todos os limites e vivem com alegria e gratidão a Deus pela vida, não nos demonstram a Verdade destas palavras do Cristo a cada dia ?

Demos graças ao Senhor nosso Deus, a Sua justiça e misericórdia infinitas para com todos, e pelo dom da vida, a única que vamos ter.

Que façamos desta única jornada, um caminho de busca e proximidade de Deus.

No amor de Cristo,

Diácono Marcelo.

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Dúvidas dos buscadores : Sobre o fervor e a devoção



Irmãos,

Um buscador da fé traz uma questão importante, que tenho certeza pode ser uma duvida comum a outros buscadores sinceros da fé.
Seguem a dúvida e a resposta.

 ------------------------------------------------------------------------------


Boa noite, padre Marcelo.

Como o senhor sabe, há algum tempo acompanho seu apostolado virtual com o desejo de, num futuro próximo, se Deus permitir, me filiar à santa Igreja Ortodoxa.

Mas em meio a esse processo, trago-lhe o seguinte questão:

Em minha mente, já está assentada a ideia e o pensamento em Cristo bem como às orações e meditações difundidas pelo senhor no apostolado.

Contudo, no momento em que me coloco em meu particular e tento 'elevar-me' ao Senhor, não consigo.

Não sei dizer ao certo qual é o motivo, mas sei que tenho dificuldades em proceder com as orações e os cantos - por isso mesmo eu havia lhe pedido para que nos ensinasse. 

Assim, não consigo sentir o meu coração aquecido.

Padre, por todas as postagens e notas catequéticas que publicou no facebook, sei que é alguém que pode entender este meu dilema e lhe confesso: estou bastante aflito por não conseguir 'adentrar', por assim dizer, de forma fervorosa e devota, nas práticas diárias de oração, as quais são sempre incentivadas pelo senhor.

E é com este coração aflito que busco o seu conselho.

O que fazer? Como fazer? Como agir?

Desde já agradeço e peço a sua benção.

                                                           Resposta :
Querido amigo, 

que Deus nos abençoe !

Agradeço por sua comunicação, pois questão muito importante. Deus te salve !

O estado que devemos nos colocar, na vida espiritual, é o de receptividade, e espera por Deus.

Nós O buscamos, e aos poucos vamos criando espaços e tempos cada vez maiores, para estarmos com Deus.

Esta busca, por criar cada vez mais espaço para Deus, em si, ja santifica a nossa vida, ja melhora tantas coisas, que ainda que nao estejamos percebendo, Deus ja esta falando muito conosco.

O que precisamos então agora, é controlar a nossa ansiedade, por receber um tipo x de sensação espiritual, que muitas vezes é um tipo de idealização que justamente nos impede de perceber com mais força, a presença de Deus.

precisamos investir na espera, acreditar que o silencio é um caminho para grandes alegrias que virão

Com certeza, conhecer a vida litúrgica da Igreja, conhecer os cânticos, os sons dos guizos do turibulo, o odor do incenso, tudo isso nos ajuda a "abrir nossos olhos e nosso ouvidos", e por isso recomendamos tanto que os buscadores façam o possível para ter  a experiência litúrgica.

Contudo, para a nossa relação pessoal, intima, diária com Deus, podemos acessar esta mesmo se nao temos tanta vivencia na Igreja.

Continue  buscando reservar o tempo de honra para seu encontro com Deus.

Crie um deserto, um refugio, no seu lar, e la espera e confia. Ele vem. Ele na verdade ja veio. Ele em Verdade, esta sempre.

Mas Ele precisa que vc esteja pronto, para O ver, O sentir, sem ser consumido como uma vela diante do fogo, mas sim que se ilumine, e nisso ilumine.

É então Deus nos preparando, nisso que achamos que "nada esta acontecendo".

Não se angustie com este tempo de aridez.

O processo no qual voce esta envolvido, é parte importante de sua vida espiritual, que esta sendo construida, saiba vc, junto com Deus.

Um grande abraço querido !

No amor de Cristo,
Diácono Marcelo.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Novo Video : A mulher cananeia






Irmãos,

neste décimo terceiro video da série "As palavras do Senhor são palavras puras", temos o registro do Evangelho de São Mateus, capitulo 15, versiculos 21 a 28 :
"E, partindo Jesus dali, foi para as partes de Tiro e de Sidom.
E eis que uma mulher cananéia, que saíra daquelas cercanias, clamou, dizendo: Senhor, Filho de Davi, tem misericórdia de mim, que minha filha está miseravelmente endemoninhada.
Mas ele não lhe respondeu palavra. E os seus discípulos, chegando ao pé dele, rogaram-lhe, dizendo: Despede-a, que vem gritando atrás de nós.
E ele, respondendo, disse: Eu não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel.
Então chegou ela, e adorou-o, dizendo: Senhor, socorre-me!
Ele, porém, respondendo, disse: Não é bom pegar no pão dos filhos e deitá-lo aos cachorrinhos.
E ela disse: Sim, Senhor, mas também os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos seus senhores.
Então respondeu Jesus, e disse-lhe: Ó mulher, grande é a tua fé! Seja isso feito para contigo como tu desejas. E desde aquela hora a sua filha ficou sã."

Muitos são aqueles que ficam confusos com a narrativa deste Evangelho, pois não entendem a aparente má vontade do Senhor para com aquela mulher cananeivendo tal passagem como contraditoria com outros registros dos evangelhos e com a propria perspectiva da missão universal do SEnhor, em face a toda a humanidade e não apenas no relativo aos judeus.
O objetivo desta nota é demonstrar que nõa ha qualquer contradição neste evangelho, e que temos aqui apenas mais uma das importantes lições do SEnhor, para toda a humanidade, a respeito do que é essencial no ensino do Seu santo evangelho.
Que Deus permita ser útil !

No amor de Cristo,

Diácono Marcelo.

A Paz que o Senhor nos dá não é a paz que o mundo dá



Irmãos,


a Paz que O Senhor Jesus Cristo traz para a nossa vida, é aquela que nos faz perceber que Deus está no controle.

É a Paz de Cristo aquela que nos faz dormir durante a tempestade.

A Paz que o Senhor nos oferta não vai acabar com a tempestade. Não vai fazer com que ela desapareça de imediato.

A Paz que o Senhor nos da, é aquela que nos diz que a tempestade, por mais forte que seja, vai passar.

Muitas vezes na vida estamos sob tempestade.

As vezes as coisas não vão bem, tudo no horizonte parece muito obscuro, e somos muito pressionados.

Cansados, somos tentados a desesperar.

Eis então que devemos parar, nos recolher no nosso canto, e pensar em Deus, em Cristo dormindo no barco em meio a tempestade.

E nisso pedir a Deus para nos fazer crer com o coração, aquilo que a nossa mente ja comprendeu racionalmente, ou aquilo que formalmente dizemos crer : Deus está no controle.

Nós devemos entender, que o unico perigo da tempestade, é se no desespero, nos jogamos no mar, e deixemos nos levar pela tormenta.

Todos nós temos que encontrar, a cada dia, este momento, em que nos recolhemos com nossa intima fé em Deus, e nisso buscar refugio.

O Senhor então, dentro de nosso coração, vai fazer com que a tempestade interior, dos medos e insegurança se acalme.

E nisso, pacificados por Deus, vamos poder esperar que a tempestade exterior tambem se acalme.

Não nos lancemos no mar revolto, meus irmãos.

Na tempestade, nos refugiemos em Deus, que tudo, logo vai passar.

No amor de Cristo,

Diácono Marcelo.

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Dúvidas dos buscadores : Como é possível amar aqueles que fazem maldades ?



Irmãos,

Uma buscadora de Deus traz uma questão que certamente é a dúvida de muitos.

Explicar esta questão é um dos mais antigos e difíceis desafios da Igreja, e esta questão sempre será atual, e devemos nos ater a ela com seriedade, pois sua compreensão é aspecto decisivo para vivermos de acordo com o Evangelho de Nosso Senhor.

             =====================================================

Pergunta :

"Padre, boa noite.

Estava lendo uma de suas notas catequeticas  e me deparei com um conceito cristão muito falado que é amar o próximo.

Esse é um dos preceitos cristãos mais difíceis para mim.

Como posso amar uma pessoa "ruim", violenta, corrupta, assassina, desrespeitosa, anti ética ?

Como é possível desejar coisas boas para pessoas canalhas?

Eu tento não julgar mas existem ações que são abomináveis em relação ao direito humano.

Não sou hipocrita, sou muito verdadeira e justa.

Eu entendo que Jesus amou esses seres pois era um homem iluminado, mas como nós chegamos a esse nível de elevação?"

Resposta :
Bom, o amar ao próximo, não significa ter afinidade com todas as pessoas, ter o mesmo sentimento por todas, e claro, nunca vai significar ignorar a existência dos erros, dos pecados no mundo.

Nosso Senhor mesmo nos diz que vamos ter inimigos, e nos ordena : amem vossos inimigos.

Como é possível amar o inimigo ?

Claro, que este amor não vai se manifestar da mesma forma que o amor que temos pelo amigo. Pois com o amigo temos afinidade, com o inimigo, ao contrario, temos contrapontos entre nos e ele.

Então, o que é esse amar o inimigo que o Senhor Deus nos manda ?
1- É não desejar o mal

2- É não devolver o mal com o mal

3- É pressumir o melhor, se ha duvida

4- É perdoar caso lhe peça perdão

5- É não guardar magoa nem ficar a rememorar as ofensas

6- É pedir a Deus por ele, todos os dias


As pessoas malvadas, os criminosos, terroristas, são todos dignos de misericórdia, pois estão notoriamente perdidos, caminhando para a desgraça eterna.

Mas claro, precisam ser combatidos, detidos, e nisso o nosso amor cristão nunca poderá ser confundido com omissão diante da necessidade de coibir o mal.

Mas devemos, cada um em seu campo de vida, buscar agir com justiça, e assim, combater o mal nunca será justificativa para vingança, ou para devolver um mal com outro mal.

Jesus Cristo é Deus e Homem. Mas tudo o que Ele nos pediu, é possível para cada homem realizar, pois Ele pediu o que é proprio a nossa humanidade.

Cristo não nos diz para realizamos atos de Deus. Mas nos diz que com a ajuda de Deus, podemos fazer muito mais do que imaginamos.

Amar o nosso inimigo é uma dessas coisas.

Vamos pedir a Deus para transformar o nosso coração, e em algum tempo, no tempo de Deus, esta transformação ocorre.

Não tenha pressa, mas não deixe de pedir, e de tentar caminhar de acordo com a mentalidade do Evangelho.

Quando pensamos a sério sobre a nossa vida, meditamos a cada dia sobre como caminhamos, o que pensamos, o que fizemos, e temos o Evangelho de Cristo como parâmetro, sempre vamos poder perceber que nós tambem somos pecadores, que muitas e muitas vezes somos malvados, egoistas, e que nisso nos tornamos traidores de Cristo, seus escarnecedores.

Quando conseguimos ver isso, aquelas pessoas que vemos apenas como malvados, passamos a ver como pobres coitados companheiros de infortúnio.

E com esta percepção, podemos mais facilmente sentir compaixão, pois pela lembrança de nossa condição pecaminosa, podemos sentir empatia por todos.

Essa é a mansidão e a humildade que Cristo nos convida a buscar, como a meta de nossa vida.

No amor de Cristo,

Diácono Marcelo.

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Parametros para a ação caritativa cristã :



Irmãos,

nosso Senhor nos instou a ver no nosso proximo Ele mesmo.

Se então desejamos servir ao Senhor, antes de tudo devemos buscar servir o nosso próximo.

Muitas vezes no entanto temos dúvidas sobre como proceder, para que a nossa ação seja de fato agradável a  Deus e não um passo dado na Sua distancia.

Aqui então consideramos alguns parametros para agir de um modo agradável a Deus, de acordo com o Evangelho.

1- Não julgar o outro.

Se pode ajudar, ajuda. Muitos veem o caido no chão é dizem : Esta assim por culpa propria.
Ok. Mas não é assim tambem conosco, nas muitas vezes que caminhamos na distancia de Deus e caimos?

Deus nos levanta ainda assim. Pq desejamos ser mais rigorosos que Deus?

2- Ver no outro o Proprio Cristo.

Fazer por Ele, sem esperar recompensa (e isso tambem significa não esperar agradecimento).

Quantas vezes fazemos uma boa coisa por alguem, e por não receber uma declaração de gratidão que atenda ao nosso ego ficamos irritados ?

Então no fim, desejavamos adulação e nao ajudar alguem. Deus sabe mais.

3 - Que a nossa mão direita não saiba o que a mãe esquerda faz.

Ou seja, não alerdeie o bem que fez. Deus ja viu. Era para ele que voce ofertava, não era?

4 - A humildade de quem ajuda não humilha o ajudado.

É para sermos parecidos com Cristo, que nos levanta sempre e nossas constantes quedas, sem nunca nos humilhar.

5- Saber que somos todos muito pobres, fracos, doentes, e em tudo necessitados da misericordia de Deus.

Nunca veja um Lazaro como alguem muito diferente de voce.

No amor de Cristo,

Diácono Marcelo.